portal da computação    ciência da computação     engenharia de computação     pós-graduação webmail
Banca de TCC: Raphael Tomé Santana
por Marilton Sanchotene de Aguiar, 1 ano, 179 dias atrás

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Apresentações Finais (2015/2)

Um Modelo Evolutivo para Autorregulação de Agentes Aplicado ao Jogo da Minoria com Comunidades Heterogêneas
por
Raphael Tomé Santana

Curso:
Engenharia de Computação

Banca:
Prof. Marilton Sanchotene de Aguiar (orientador)
Prof. Paulo Roberto Ferreira Jr.
Prof. Ricardo Matsumura Araujo
Profa. Diana Francisca Adamatti (FURG)

Data: 02 de Dezembro de 2015

Hora: 14:00h

Local: Lab 4

Resumo do Trabalho: Este trabalho a ser apresentado está inserido no contexto da Inteligência Artificial Distribuída (IAD), utilizando dos conceitos de Sistemas Multiagentes (SMA), Aprendizado de Máquina e Algoritmos Genéticos para realizar um estudo de comportamento sobre o Jogo da Minoria (JM). O Jogo da Minoria é um problema da Teoria dos Jogos (TJ) que recentemente ganhou interesse de pesquisadores, dado que, mesmo possuindo uma estrutura de funcionamento simples, possui comportamentos emergentes complexos, que, por vezes, não são esperados. Após sua formalização, diversos algoritmos, com diferentes formas de manipular as estratégias dos agentes, e características foram apresentados e estudados. Este trabalho utiliza um algoritmo evolutivo para manipulação das estratégias dos agentes, com o objetivo de analisar os diferentes comportamentos que emergem do sistema, principalmente, em comunidades heterogêneas. A heterogeneidade do sistema deste trabalho é dada por diferentes configurações para a sociedade do jogo, onde cada configuração possui diferentes proporções das ‘personalidades’ definidas pelo autor, a saber: Liberal, Neutral e Conservador, estas personalidades se distinguem pela probabilidade do agente em alterar de sua estratégia. Para verificação dos efeitos da utilização dessas comunidades, foram realizados experimentos com 13 configurações avaliando diferentes aspectos do algoritmo, sendo estas: memória, número de alterações, variância e espaço de estratégias, onde foi possível observar a relevância da memória no JM, a importância/eficácia do algoritmo utilizado e, por fim, a não ocorrência de padrões nas estratégias. Por fim, como proposta para trabalhos futuros nesta linha, são sugeridos, a exploração de diferentes conceitos de heterogeneidade e a elaboração de novos algoritmos de aprendizado.

Para mais informações acesse: http://inf.ufpel.edu.br/notcc/doku.php?id=bancas:2015_2

CDTec UFPel
Find us on Google+